Stress

Assume-se geralmente que o stress “não é bom para o coração” e que também é responsável pelo desenvolvimento de arritmias. No entanto, até à data, apenas estão disponíveis estudos de menor dimensão que fornecem possíveis evidências do stress como uma causa da fibrilhação auricular.

Ainda são necessárias extensas investigações científicas para fornecer fortes evidências de stress como uma possível causa de fibrilhação auricular.

 

Stress agudo

O stress agudo é entendido como a causa emocional sentida durante eventos negativos, como a morte súbita ou a lesão de uma pessoa próxima. Descreveram-se alguns casos em que um episódio de fibrilhação auricular antecedeu tais emoções negativas. Embora não existam evidências científicas sólidas, existe uma explicação científica aceitável para esta relação.

Um impulso emocional pode estimular o sistema nervoso autónomo (ou seja, o sistema nervoso que não controla, que regula, entre outras coisas, a frequência cardíaca e a tensão arterial). Este sistema nervoso é conhecido por influenciar o desenvolvimento de fibrilhação auricular.

Existem estudos de menor dimensão que demonstraram a ligação entre a emoção e a fibrilhação auricular. Por exemplo, foi pedido a quase 100 doentes que já tiveram fibrilhação auricular que registassem as suas emoções diariamente durante um ano.

A recorrência da fibrilhação auricular foi associada às emoções descritas. Nesta pequena série de doentes, foi possível demonstrar que uma emoção negativa, como a tristeza, o medo e a irritação, duplicou o risco de fibrilhação auricular. Já a felicidade reduziu em 85% a incidência de fibrilhação auricular.

Apesar da escassez de estudos de grande dimensão, isto sugere que as emoções agudas podem ser uma causa da fibrilhação auricular, sobretudo em doentes que já tinham esta arritmia.

 

Stress crónico

À semelhança do stress agudo, é possível assumir que o stress crónico também é uma causa da fibrilhação auricular devido ao seu impacto no sistema nervoso autónomo. No entanto, os estudos de grande dimensão também são escassos neste âmbito e as evidências existentes tendem a fornecer resultados contraditórios. Tem sido demonstrado que alguns fatores de stress de longa duração, como raiva, hostilidade e tensão, estão associados à fibrilhação auricular, mas apenas em homens. As emoções negativas têm efeitos distintos no corpo de homens comparativamente ao das mulheres.

Além disso, existem alguns estudos de menor dimensão que indicam que as terapêuticas que visam aumentar o relaxamento reduzem a carga de fibrilhação auricular, melhorando os sintomas e a qualidade de vida. Isto foi demonstrado numa pequena série de doentes em sessões de ioga duas vezes por semana, durante três meses. O resultado foi uma redução nos episódios sintomáticos e assintomáticos de fibrilhação auricular.

 

Depressão

Foi demonstrada uma relação clara entre depressão e fibrilhação auricular. Os doentes que já sofreram de depressão têm até 25% mais probabilidade de desenvolver fibrilhação auricular. O risco aumenta com episódios recorrentes de depressão, com um risco ainda maior em doentes jovens e em mulheres.

 

A fibrilhação auricular como causa de stress

Por fim, existe também uma associação inversa à depressão. O próprio “distúrbio” da fibrilhação auricular leva à ansiedade e sintomas depressivos em até 35% dos doentes. É por este motivo que os médicos e, mais especificamente, os cardiologistas prestam tanta atenção a esta arritmia.

Os doentes estão agora muito mais envolvidos no tratamento desta arritmia, a fim de melhorarem não só a sua saúde física, mas também a saúde mental e a qualidade de vida. Por conseguinte, é extremamente importante explicar a natureza da arritmia, analisar as diferentes estratégias de tratamento possíveis e realçar a possibilidade de um doente influenciar o desenvolvimento de fibrilhação auricular por meio de mudança comportamental.


Páginas relacionadas

FERRAMENTAS ÚTEIS

Preparação para a primeira consulta com uma checklist médica

Transferir

Diagnóstico de FA e checklist de acompanhamento

Transferir

Preparação para uma checklist de ablação por cateter

Transferir

Encontrar o meu especialista

Saiba mais

Clique para imprimir estas ferramentas que o ajudam a preparar-se para as suas consultas

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.