In order to bring you the best possible user experience, this site uses Javascript. If you are seeing this message, it is likely that the Javascript option in your browser is disabled. For optimal viewing of this site, please ensure that Javascript is enabled for your browser.

Viver com a fibrilhação auricular

Viver com a fibrilhação auricular

Viver com a fibrilhação auricular

PODERÁ VIVER UM ESTILO DE VIDA NORMAL?

Sim, embora possam existir algumas restrições a algumas atividades associadas a determinados medicamentos que possa ter de tomar. Um estilo de vida saudável e uma dieta diversificada e equilibrada são importantes para todos, mas especialmente para pessoas com problemas cardíacos, como a fibrilhação auricular. Também deve limitar o consumo do álcool e outros estimulantes como o chá ou café forte, ou bebidas à base de cafeína. A experiência clínica associa o stressstress a episódios de fibrilhação auricular, embora os dados dos ensaios clínicos sejam limitados. É plausível que medidas para reduzir o diário (como, por exemplo, a prática de ioga) possam ajudar a controlar a fibrilhação auricular. Nas secções seguintes, são apresentados mais detalhes sobre a fibrilhação auricular e o álcool, exercício, consumo de tabaco, dieta, sexo, condução e viagens, e disponibilizam-se contactos de sites úteis para aconselhamento e apoio.

 

AFIB E ÁLCOOL: PRECISO DE DEIXAR DE BEBER?

O consumo de álcool está associado a um risco acrescido de fibrilhação auricular, consoante a dose. Embora o consumo moderado de álcool não deva normalmente causar problemas em doentes com fibrilhação auricular, recomenda-se vivamente que seja evitado o consumo excessivo de álcool. Se sentir que o álcool, mesmo em doses pequenas, desencadeia episódios de fibrilhação auricular, deverá igualmente evitá-lo. As grandes quantidades de álcool podem causar fibrilhação auricular e podem afetar a prevenção do AVC com o tratamento com anticoagulantes, especialmente para os doentes que tomam antagonistas da vitamina K (como a varfarina ou o acenocoumarol). As quantidades excessivas de álcool podem aumentar o risco de hemorragia entre doentes que tomam medicação anticoagulante. Deve informar o seu médico sobre a quantidade de álcool que bebe diariamente.

As recomendações relativamente ao consumo de álcool variam consoante o país, mas a Organização Mundial da Saúde aconselha as pessoas a não beber mais do que 2 unidades padrão de álcool por dia. Clique aqui para saber quantas unidades uma bebida inclui.

Também deve tentar passar pelo menos 2 a 3 dias sem álcool por semana.

Leia mais sobre as orientações para beber com moderação (PDF, em inglês)


EXERCÍCIO COM FIBRILAÇÃO AURICULAR: PRECISO DE PARAR OU DEVO AUMENTAR?

O exercício moderado é bom para a maioria das pessoas e ajuda diminuir o risco global da doença cardíaca. A atividade física é importante porque ajuda a regular os ritmos biológicos diários, melhora o sono e o humor, e é importante para o controlo do peso. No entanto, antes de iniciar qualquer programa de exercício deve consultar o seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para debater o nível de atividade física que pensa realizar.

Regra geral, o exercício moderado é bom para pessoas com fibrilhação auricular e não deverá fazer subir excessivamente a sua frequência cardíaca. No entanto, o exercício intenso deve ser evitado. Verificou-se em alguns estudos que o risco de fibrilhação auricular é maior em atletas de modalidades de resistência, como corredores de longa distância ou ciclistas. Como tal, os doentes devem ser incentivados a fazer exercício leve a moderado, evitando os desportos mais intensos.

Se sofrer um episódio de fibrilhação auricular enquanto treina, deve parar, sentar-se e seguir as recomendações do seu médico ou procurar aconselhamento médico se for a sua primeira ocorrência de fibrilhação auricular. Em geral, recomenda-se a prática de exercício físico moderado durante no mínimo 2-3 horas por semana.

Hoje em dia, existem muitas aplicações e dispositivos portáteis (dispositivos de acompanhamento de atividade e relógios “inteligentes” – smartwatches –) que permitem saber a quantidade de exercício físico realizada, incluindo aplicações que contam os passos, medem as distâncias ou a velocidade dos movimentos.


PRECISO DE DEIXAR DE FUMAR?

Sim, parar de fumar é importante para a sua saúde global, por isso o seu médico irá recomendá-lo vivamente. Procure aconselhar-se junto do seu médico de família. No caso da fibrilhação auricular, ocorrem danos adicionais porque fumar aumenta a frequência cardíaca e baixa o nível de oxigénio no sangue.


O QUE DEVO COMER?

Geralmente recomendamos que faça uma dieta saudável e equilibrada, e que se tiver excesso de peso que o perca. A sua dieta é especialmente importante, particularmente se estiver a tomar um tipo específico de medicamento anticoagulante: um antagonista da vitamina K. Isto deve-se ao facto de existirem alimentos, especialmente os vegetais de folha verde (alface, acelga, espinafre) que contêm muita vitamina K, que podem afetar a forma como estes comprimidos atuam no organismo, tornando-os menos eficazes. Leia mais sobre a dieta para doentes que estejam a tomar varfarina/antagonista da vitamina K.

Se estiver a tomar suplementos dietéticos ou ervas medicinais como o hipericão, esclareça-se junto do seu médico quanto a possíveis interações com o seu medicamento, especialmente os novos anticoagulantes (NOAC [ligação para explicação sobre os NOAC]). O consumo sistemático de óleo de peixe não é recomendado para reduzir episódios de fibrilhação auricular.

Se tiver hipertensão arterial é aconselhável comer alimentos com baixo teor de sal (para este efeito consulte os rótulos dos alimentos) e não adicionar sal ao cozinhar ou à mesa. Pergunte ao seu médico se pode substituir o sal corrente por sal de potássio (outro tipo de sal que não provoque subida na tensão arterial) ou ervas aromáticas.


PRECISO DE PERDER PESO?

Sabemos que cerca de um terço a metade dos adultos em países desenvolvidos têm excesso de peso (índice de massa corporal - IMC - > 25 [ligação para calculador de IMC]) ou são obesos (IMC > 30). A obesidade está estreitamente associada ao risco de desenvolvimento da fibrilhação auricular e aumenta a probabilidade de recorrência da arritmia após ablação. A perda de peso e a ausência de flutuações de peso significativas melhoram o controlo da fibrilhação auricular, bem como os resultados após a ablação.

Os dados científicos da atualidade corroboram fortemente a recomendação da perda de peso tanto para a prevenção como para o tratamento da fibrilhação auricular. O principal objetivo em doentes obesos é perder 10% do peso corporal a curto prazo.


A FIBRILAÇÃO AURICULAR ESTÁ RELACIONADA COM A TENSÃO ARTERIAL?

A tensão arterial elevada é um forte preditor do desenvolvimento da fibrilhação auricular. O tratamento da hipertensão é um componente importante de qualquer estratégia de gestão da fibrilhação auricular, especialmente para reduzir o risco de AVC ou a probabilidade de hemorragias decorrentes de anticoagulantes orais.


DEVO DEIXAR DE BEBER CAFÉ, CHÁ E OUTRAS BEBIDAS COM CAFEÍNA?

Esta questão é um pouco controversa. No passado, alguns médicos recomendavam às pessoas com fibrilhação auricular que deixassem totalmente de beber café. No entanto, não existem provas sólidas que associem o consumo de cafeína ao risco de fibrilhação auricular ou das suas complicações. Todavia, beber demasiado café pode fazer subir a sua tensão arterial. A cafeína também aumenta a frequência cardíaca (o que pode desencadear a fibrilhação auricular). Como tal, poderá ser aconselhável manter o consumo da cafeína a um nível moderado: por exemplo, 2 a 3 chávenas de café por dia.


DEVO EVITAR O STRESS?

É aconselhável para o seu estado geral de saúde evitar o stressstress tanto quanto possível. Existem algumas provas de que o continuado ou súbito pode originar episódios de fibrilhação auricular. A gestão do stress poderá incluir a prática de ioga, meditação, técnicas de relaxamento ou exercício físico.


POSSO CONTINUAR A TER RELAÇÕES SEXUAIS?

É frequente as pessoas que tiveram problemas cardíacos preocuparem-se com as suas relações sexuais. Sabemos que há doentes que reduzem ou param de ter relações sexuais porque têm medo que possam originar mais problemas cardíacos. Por exemplo, algumas pessoas acreditam que o sexo pode ser arriscado e pensam “Tenho de o evitar” ou “Há um risco de ficar demasiado excitado e de morrer”. Estas ideias provocam tensão e ansiedade desnecessários em torno das relações sexuais. O que sabemos é que para a maioria das pessoas com diferentes tipos de problemas cardíacos ter relações sexuais é seguro e, na realidade, é recomendado pelos médicos. Pense no seguinte: para uma pessoa comum, homem ou mulher, ter relações sexuais exige a mesma quantidade de trabalho da parte do coração que uma caminhada com passo firme de 20 minutos. Ter um orgasmo equivale ao esforço de subir um lance de escadas. O exercício é bom para o coração e a atividade sexual é apenas outra forma de exercício. Por isso, na realidade, a atividade sexual regular pode ser boa para o seu coração.

 

POSSO CONDUZIR SOFRENDO DE FIBRILAÇÃO AURICULAR?

Sim, pode continuar a conduzir. No entanto, se tiver qualquer episódio de tonturas ou desmaio não deve conduzir. Deve informar o seu médico para que ele possa verificar o que está a causar as tonturas e desmaios (que podem estar relacionados com a sua fibrilhação auricular).


POSSO VIAJAR?

Sim, em geral, não há qualquer motivo para não poder viajar (incluindo andar de avião) se sofrer de fibrilhação auricular, mas é melhor consultar o seu médico primeiro. Recomenda-se uma viagem confortável, sendo melhor evitar temperaturas extremas (calor e frio) e altitudes elevadas. Antes de fazer quaisquer planos de férias é aconselhável ter a sua fibrilhação auricular bem controlada e estável. Antes de viajar, deve assegurar que tem todos os medicamentos consigo e que os seus comprimidos não acabam enquanto está fora. Também deve levar consigo um resumo do seu historial médico.


SE SOFRO DE FIBRILAÇÃO AURICULAR, PODEREI OBTER UM SEGURO DE VIAGEM?

Sim, a maioria dos doentes com fibrilhação auricular pode obter um seguro de viagem. No entanto, por vezes é exigido um prémio mais dispendioso. Procure aconselhar-se junto de prestadores de cuidados de saúde. Por vezes, pode ser útil contactar várias companhias de seguros de saúde para obter o melhor negócio.


ONDE POSSO OBTER MAIS ACONSELHAMENTO E APOIO?

Pode solicitar conselhos e apoio ao seu médico de família, ao seu cardiologista ou outros médicos especialistas. Também pode contactar uma das associações de doentes com fibrilhação auricular para obter conselhos e apoio de caráter mais geral.